A Rússia de Putin não vai abandonar a Síria nem a Ucrânia

26/05/2015 20:16

"A Síria Express", grandes navios de assalto anfíbios Novocherkassk, partem de Novorossiysk para Tartus

 

Outro "Expresso Síria" em movimento

 

Traduzido do russo por J.Hawk

 

Em 19 de maio, Azov e Novocherkassk grandes navios de assalto anfíbio deixaram Novorossiysk para o Mediterrâneo. No dia seguinte, eles passaram pelo Bósforo para entrar no Mar Egeu, enquanto em 23 de maio Aleksandr Otrakovskiy e Aleksandr Shabalin passaram através do Bósforo voltando do Mediterrâneo.

 

Estes dois navios representam a surtida de 19º e 20º do expresso Síria deste ano.

 

 

Nota do J.Hawk: Para preencher as lacunas no relatório, estes navios não estão lá para ajudar suas equipes de pegar um bronzeado ou mesmo para "mostrar a bandeira", mas para entregar suprimentos vitais, necessários para os militares sírios que não aguentariam tanto tempo sem eles.

 

 

Dentro fonte: Putin não vai abandonar a Síria nem a Ucrânia

 

Traduzido por Kristina Rus

 

Mais uma vez, provavelmente pela centésima vez, ouvimos que Putin vai trair alguém. Eles disseram, ele vai trair Novarrússia, mas isso não aconteceu, então a mesma melodia foi ouvida sobre a Síria. De um modo geral, não é notícia sobre a Síria em tudo. Estas conversações não pararam, mas toda vez nada acontece.

 

É hora de uma vez por todas de esclarecer se ele vai ou não vai traí-los e se os americanos vão começar a bombardear a Síria. Até agora, bombardear Assad é impossível, agora, estamos prontos para dizer mais e revelar os cartões do que acreditamos vai acontecer na Síria.

 

Síria

 

Em primeiro lugar, quero dizer para aqueles que querem ouvir a resposta a esta questão de uma vez por todas, que não existe essa resposta, porque há circunstâncias diferentes. E se Assad será se for amanhã e um de seus funcionários liderar a luta, e, em seguida, verifica-se que ele próprio, matou Assad. Será que o presidente russo, apoiaria a sua luta? O ponto é - a situação é fluida, e devemos ir de fatos no terreno. Mas vamos decompô-lo. Podemos definir mais ou menos ilustres três partes envolvidas no conflito sírio: Assad, ISIS e a oposição síria, apoiada pelos EUA.

 

Como você sabe, uma luta sempre envolve dois lados, e a terceira tenta incitá-los, para que eles, Deus me livre, não reconciliem e careguem juntos contra a terceira parte. Neste caso, cada lado quer ser o terceiro, que não está envolvido na luta. Em nossa história presente, existem apenas duas dessas partes - Assad e a oposição síria. ISIS não se contenta em ficar sentado nas arquibancadas. ISIS quer conquistar território, não pode esperar, e enquanto as coisas não são grandes, ISIS quer capturar o máximo possível nesta situação. Mas a oposição adoraria os islamistas para quebrar o pescoço de Assad e, em seguida, os Estados Unidos poderiam bombardear impiedosamente estes islamitas, e só quando tudo estivesse preparado, convidar a oposição síria para se pronunciar sobre a Síria. Aqueles que planejam tais operações devem perceber que aqueles que ganham com baionetas estrangeiras, não vão se manter no poder. Assad também gostaria que a luta principal fosse entre os islâmicos e a oposição. Isto é exatamente o que está acontecendo e vai continuar. Como você sabe, a luta mais brutal é interna. Isto é, figurativamente falando, algumas espécies da mesma raça competem uns contra os outros para garantir a presa, e em seguida, passar um passo acima de sua própria espécie. Na nossa situação há dois lados - os desafiantes e o Presidente. As espécie "desafiantes " consistem de dois membros - oposição e ISIS. Eles terão a luta interna. Cada um deles espera ganhar, e depois de se tornar o único vencedor, em seguida, passar Assad.

 

A Síria não faz fronteira com a Arábia Saudita diretamente, mas apenas através da Jordânia ou do Iraque, e é um lado completamente diferente dos eventos que estão ocorrendo agora entre Arábia Saudita e Iêmen. Este será essencialmente uma segunda frente contra o exército saudita. Esta segunda frente os sauditas precisam exatamente o mesmo que Hitler precisava na sua segunda frente. Os resultados serão devastadores. Nesta situação, os capões sauditas não são de todo olhando para a frente, e eles sentem que desta vez o sino está tocando para eles.

 

Tudo isso tem implicações para os preços globais do petróleo. O que quer que os EUA façam, os preços do petróleo vão subir. Mesmo se eles simplesmente bombardearem o Iémen, o preço vai subir, como ações militares, por vezes, trazer surpresas e os riscos são muito elevados. Isso afetará não só os preços do petróleo, mas também as preferências políticas, a estabilidade política e assim por diante.

 

Para a Europa esta operação vai certamente sair pela culatra como foi a anterior. Neste caso estamos a falar de Líbia. Neste caso, é claro, a UE não apenas sentou-se em uma poça [um ditado russo], mas caiu na merda até as orelhas. O que está acontecendo com os refugiados da Líbia desafia a descrição. No entanto, é bastante justo, que os cidadãos de um país destruído estejam fugindo para a Europa, onde ninguém bombardeada ninguém, e ao contrário, eles bombardearam a Líbia! Hoje após ruptura do país em cacos quebrados, a UE tem de tomar todos estes refugiados. Já ouvimos o que Merkel disse sobre Ebola e até mesmo culpou a OMS por ser demasiado lento. Enquanto isso Sarkozy está longe de ser ouvido e se esconde em cantos escuros, escondendo os olhos daqueles que condenando-o, que são muitos. Sarkozy conseguiu enganar acusação por suas "atividades militares" nos últimos cadência presidencial, mas Hollande é geralmente uma centopéia desagradável. No entanto, a Líbia está destruído e seus hidrocarbonetos são saqueados por empresas americanas.

 

Ucrânia

 

Nossos leitores provavelmente sabe mais sobre a situação na Ucrânia do que sobre a situação na Síria, mas na verdade não é sobre a Ucrânia. Isto tornou-se possível por causa da posição da Ucrânia oficial. No confronto com os EUA, Putin conta com Ucrânia só para forçar o Ocidente e, em maior medida, os EUA a jogar o seu jogo favorito - ginástica. Putin gosta de treinar os EUA para esticar. É por isso que nenhum dos conflitos militares provocadas vai ser dobrado. Mas não é bem assim. Putin não vai se comprometer em qualquer um dos conflitos.

 

Se os EUA querem que as facções em conflito sejam separadas por dois passos, em seguida, ambos estes dois passos para trás terão de ser tomadas pelos EUA, pela simples razão de que anteriormente fizeram estes dois passos para a frente e desencadearam o conflito.

 

Agora Putin vai esticar as forças da NATO e dos Estados Unidos a diferentes pontos de conflito, e quanto mais estes pontos estão uns dos outros, melhor. O fim do trânsito para o Afeganistão através de território russo se encaixa nessa estratégia. Putin aumentou o custo do trânsito no último estágio. Agora é sobre a retirada das tropas. Lembrem-se dos egípcios astutos, que tomam dinheiro dos turistas que descem do camelo. Sem dinheiro extra os egípcios não solicitam o camelo para se sentar. Isto é como os EUA terão de deixar o Afeganistão, mas não através do território da Rússia e, por um preço diferente.

 

Devo dizer que esta é uma decisão muito dura. Exatamente a mesma coisa está acontecendo na Ucrânia. O Pentágono enviou seus capangas e novamente - isso custa caro. E não pense que estamos falando de cerca de 300 mercenários, há muitos mais deles e de novo custa América um monte de "verdinhas".

 

Assim Putin esfregaços recursos norte-americanos em todo o mundo e não permite que eles se reúnam em um único punho. É de se admirar que os americanos estejam confrontados com reveses e fracassos em todos os lugares?

 

A maior vitória recente do Departamento de Estado foi um jantar conjunto entre Nuland e Tefft. Como sabemos que eles tinham bolinhos com creme de leite. Na verdade, Tefft tomou um grande risco publicar esta foto, porque só Deus sabe quantas pessoas neste momento desejam sufocá-lo.

 

 

Bem, nós desejamos Tefft boa saúde e boa sorte em todas as suas vitórias, porque ao comer os bolinhos, ele vai permanecer em silêncio - e não é uma pequena conquista.

 

O que você leu acima foi aprendido em uma conversa com uma das nossas fontes. De um modo geral, de acordo com o que foi revelado em nossa conversa, os EUA não podem acabar com o conflito na Ucrânia, mesmo que eles realmente quisessem (agora estamos falando de Obama). EUA estão prestes a entrar no ciclo ativo da campanha eleitoral e as guerras não vão ajudar ninguém, mas sim machucar. Além disso, o país realmente não tem dinheiro, mesmo para as necessidades mais prementes, que eu escrevi sobre no post: Os republicanos - ladrões de uma grande estrada de ferro.

 

Assim, nas palavras de nossa fonte, a Rússia tem resistido ao ataque dos EUA, tudo o que vai acontecer a seguir, já será uma fase inativa. Mas abandonando a guerra, os EUA e a União Européia vão deixar Poroshenko um a um com a guerra. Em breve, haverá um grande aumento na atividade interna da população civil.

 

Você acreditar na nossa fonte? O leitor, é claro, é o juiz, mas eu quero informar que essa pessoa nos disse que os EUA estão deixando a Geórgia, quando Clinton foi para a Geórgia pela última vez. Este homem primeiro nos disse que o exército ucraniano está a perder força, e seus ataques são insuficientes, embora, evidentemente, cada vítima seja uma tragédia. Agora, esta mesma pessoa está nos dizendo que Obama perdeu a paciência e está ainda envergonhado pelo que está acontecendo. Ele disse um monte de outras coisas que nós vamos tomar nota e vamos dizer ao leitor da próxima vez. Vamos chamá-lo de "fonte X". Pedimos aos nossos leitores para acompanhar a situação e avaliar a previsão fornecida a nós por nossa fonte por si próprios.

 

Fonte: https://syrianfreepress.wordpress.com/2015/05/25/novorossia-tartus-putin/


Crie um site com

  • Totalmente GRÁTIS
  • Centenas de templates
  • Todo em português

Este site foi criado com Webnode. Crie um grátis para você também!